17 de maro de 2018 às 02:00

Prêmio do Humor será realizado em São Paulo a partir de 2019; peças já estão sendo avaliadas

Apesar do sotaque carioquíssimo, Fábio Porchat veio ainda bebê para São Paulo, onde viveu até os 19 anos. Hoje, aos 34, o apresentador do Programa do Porchat (Record) e um dos criadores do canal Porta dos Fundos está de volta à cidade. Ele mora em Pinheir

LUIZA WOLF
SÃO PAULO

Apesar do sotaque carioquíssimo, Fábio Porchat veio ainda bebê para São Paulo, onde viveu até os 19 anos. Hoje, aos 34, o apresentador do Programa do Porchat (Record) e um dos criadores do canal Porta dos Fundos está de volta à cidade. Ele mora em Pinheiros, zona oeste da capital.

Mais: está acompanhando como nunca a efervescência teatral paulistana —só para ter uma ideia, a cidade recebe ao menos 120 espetáculos de todos os estilos por temporada, de cada dez deles, três são comédias.

De olho nesse segmento que não para de crescer, Porchat decidiu trazer para a capital paulista o Prêmio do Humor, concedido desde o ano passado para os principais espetáculos que fazem o público rir no Rio de Janeiro.

A versão paulistana está confirmada para o início de 2019. A expectativa é que a premiação agite ainda mais esse mercado. "É sempre bom ser lembrado por seus pares, sentir que quem faz a boa comédia está sendo valorizado", diz o ator, que banca do próprio bolso os gastos com o evento.

Cinco jurados foram escalados para fazer a avaliação das peças. São eles: o ator Ary França, o comediante Paulo Bonfá, a roteirista Rosana Hermann e os jornalistas Fabiana Seragusa, repórter da revista sãopaulo, e Miguel Arcanjo Prado, colunista do UOL (empresa do Grupo Folha).

Peças tradicionais e stand-up concorrem a troféus em cinco categorias: melhor espetáculo, texto, direção, performance (atores e atrizes) e prêmio especial.

O público não tem como participar, mas, sim, prestigiar. Para Porchat, a comédia é importante em qualquer lugar, mas, na principal metrópole do país, ela acaba ganhando ainda mais relevância. Nas suas palavras, é uma espécie de "válvula de escape do cansativo viver". "É fundamental parar para rir", diz ele. "Ainda mais em uma cidade assim, que não para nunca."

A lista de peças em cartaz, você encontra em guia.folha.com.br

Fonte: FOLHA

comentários

Estúdio Ao Vivo